Seguidores deste blog

domingo, 17 de novembro de 2013

Canalhas e Idiotas

Pensando bem!
O que Olavo de Carvalho diz em uma de suas obras sobre os canalhas e os idiotas, eu concordo e percebo que no contexto cristão esta prática infelizmente tem se tornado comum.
Significado de Canalhice
s.f. Ação ou palavra própria de canalha.
Falta de moral e de honestidade.

Vamos ao que diz Olavo:
“A canalhice é a ciência mais avançada do mundo atual – opera em escala global, inclusive – e o seu resultado é justamente a multiplicação de idiotas que jamais se dão conta de sê-lo”.

Concordo. E idiota, aqui, tem sentido atrelado a sua etimologia: idiotes, em grego, é aquele que nada enxerga além de si próprio. Toma a própria ignorância como régua do mundo, julgando tudo pela sua própria pequenez e agindo de maneira egocêntrica, egoísta e excêntrica. Muito, muito distante e contrário aos exemplos e preceitos que Cristo nos deixou em sua palavra e em seu exemplo.

sábado, 19 de outubro de 2013

Tudo começa de uma Ação!





 An Die Freude (Ode To Joy - Hino à alegria)
Ludwig Van Beethoven

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Globalização Milton Santos - O mundo global visto do lado de cá.



Um documentário para assistir!
O mundo global visto do lado de cá, documentário do cineasta brasileiro Sílvio Tendler, discute os problemas da globalização sob a perspectiva das periferias.O filme é conduzido por uma entrevista com o geógrafo e intelectual baiano Milton Santos, gravada quatro meses antes de sua morte.

domingo, 6 de outubro de 2013

Documentário sobre Jerry Lewis - Da Histeria à Alegria, do Desajeitado ao Engraçado


video


Com uma abordagem histórica e filosófica sobre a histeria no documentário: "Da histeria à Alegria, do Desajeitado ao Engraçado Jerry Lewis". 
Conhecemos um pouco da vida e obra de um dos maiores comediantes do mundo!

sábado, 28 de setembro de 2013

Curta Lighthouse ("Farol")

 
O autor é Po Chou Chi, um jovem director, natural de Taiwan, radicado em Los Angeles, ele produziu a curta Lighthouse ("Farol") cheio de subtilezas e simbolismos, o filme trata delicadamente da relação entre pai e filho, do crescimento, de amor e respeito. Mostra que o fim também é o começo. Assista,

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Reflexão: Independência ou morte!



 Resolvi comentar sobre algo que me veio à mente dirigindo logo cedo no dia de hoje, véspera que comemora a independência do nosso país. Após uma noite e inicio de madrugada difícil, onde ouvir coisas difíceis de digerir, pela falta de coerência entre o que se fala e o que se faz, uma palavra martelava minha consciência bem logo a aurora do dia, era “independência”.

Que segundo o dicionário é o estado de não se achar sob o domínio ou influência amiga, estranha ou inimiga, autonomia, desassociação, caráter de independente e liberdade.
Independência é a de um ser em relação a outro, do qual dependia ou era por ele dominado. É o estado de quem ou do que tem liberdade ou autonomia.

 Resumido é ser livre, não ter amarras, não ser possuído por alguma coisa que nos detenha, aprisione nos cerceando a nossa liberdade.

Seguido mais adiante pensei sobre algo que vivenciei a bem pouco tempo onde ouvir de uma jovem que sairá de sua casa para buscar a tal independência, e disse com toda convicção para todos que a questionavam sobre essa sua atitude irresponsável e dolorosa para ela própria e toda família, disse com firmeza que queria liberdade, independência, mesmo que isso lhe causa-se danos e consequências terríveis. Logo também me veio à mente a buscar de muitos por uma independência em vários ambitos da vida.

Sei que existem vários exemplos a serem citados como os filhos buscando a independência, profissionais e pessoas em busca de independência financeira, intelectual e etc., porém gostaria de volta ao primeiro parágrafo do texto, onde na verdade está o motivo da causa do meu mal estar, metaforicamente falando. Até que ponto, que limite como cristãos podemos buscar, ou melhor, desejar desenfreadamente está independência, está autonomia, desassociação ou a liberdade, será que vale a pena deixar de lado os valores éticos, morais e Bíblicos, nos caso dos cristãos em troca desta independência, e até indo ao extremo da rebelião, da rebeldia contra Deus e a sua Palavra, com os argumentos da autonomia pessoal, intelectual, administrativa ou legal, prefiro ficar com frases que ouvir de dois companheiros:

“Nem tudo que é legal é ético”.

“Nossa decisão é Bíblica”.

Concluo que nossas decisões e escolhas morais, legais e éticas como cristãos autênticos devem ser primeiramente Bíblicas.

Será que vale a pena?
Irmãos, vocês foram chamados para a liberdade. Mas não usem a liberdade para dar ocasião à vontade da carne; ao contrário, sirvam uns aos outros mediante o amor. 
Gálatas 5. 13

domingo, 28 de julho de 2013

David Garibaldi pintando um incrível quadro



Romanos 11. 33-36
Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! 

Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos!

Por que quem compreendeu a mente do Senhor? ou quem foi seu conselheiro?
Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado?

Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém.

Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos!
Por que quem compreendeu a mente do Senhor? ou quem foi seu conselheiro?
Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado?
Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém.

Romanos 11:33-36
Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos!
Por que quem compreendeu a mente do Senhor? ou quem foi seu conselheiro?
Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado?
Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém.

Romanos 11:33-36

sábado, 27 de julho de 2013

As 10 estratégias de manipulação mediática - Noam Chomsky.

As 10 estratégias de manipulação mediática

O linguista Noam Chomsky elaborou a lista das "10 Estratégias de Manipulação “através dos media.

1. A estratégia da distracção. O elemento primordial do controle social é a estratégia da distracção, que consiste em desviar a atenção do público dos problemas importantes e das mudanças decididas pelas elites políticas e económicas, mediante a técnica do dilúvio ou inundação de contínuas distracções e de informações insignificantes. A estratégia da distracção é igualmente indispensável para impedir que o público se interesse pelos conhecimentos essenciais, na área da ciência, da economia, da psicologia, da neuro-biologia e da cibernética. "Manter a atenção do público distraída, longe dos verdadeiros problemas sociais, cativada por temas sem importância real. Manter o público OCUPADO, OCUPADO, OCUPADO; sem nenhum tempo para pensar; de volta à granja com outros animais (citação do texto "Armas silenciosas para guerras tranquilas").

2. Criar problemas e depois oferecer soluções. Esse método também é denominado "problema-reacção-solução". Cria-se um problema, uma "situação" prevista para causar certa reacção no público a fim de que este seja o mandante das medidas que desejam sejam aceitas. Por exemplo: deixar que se desenvolva ou intensifique a violência urbana, ou organizar atentados sangrentos, a fim de que o público seja o demandante de leis de segurança e políticas em prejuízo da liberdade. Ou também: CRIAR UMA CRISE ECONÓMICA PARA FORÇAR A ACEITAÇÃO, como um mal menor, do retrocesso dos direitos sociais e o desmantelamento dos serviços púbicos.

3. A estratégia da gradualidade. Para fazer com que uma medida inaceitável passe a ser aceita basta aplicá-la gradualmente, a conta-gotas, por anos consecutivos. Dessa maneira, condições socioeconómicas radicalmente novas (neoliberalismo) foram impostas durante as décadas de 1980 e 1990. Estado mínimo, PRIVATIZAÇÕES, PRECARIEDADE, FLEXIBILIDADE, DESEMPREGO EM MASSA, SALÁRIOS QUE JÁ NÃO ASSEGURAM INGRESSOS DECENTES, TANTAS MUDANÇAS que teriam provocado uma revolução se tivessem sido aplicadas de uma só vez.

4. A estratégia de diferir. Outra maneira de forçar a aceitação de uma decisão impopular é a de apresentá-la como "dolorosa e desnecessária", obtendo a aceitação pública, no momento, para uma aplicação futura. É mais fácil aceitar um sacrifício futuro do que um sacrifício imediato. Primeiro, porque o esforço não é empregado imediatamente. Logo, porque o público, a massa tem sempre a tendência a esperar ingenuamente que "tudo irá melhorar amanhã" e que o sacrifício exigido poderá ser evitado. Isso dá mais tempo ao público para acostumar-se à ideia de mudança e de aceitá-la com resignação quando chegue o momento.

5. Dirigir-se ao público como se fossem menores de idade. A maior parte da publicidade dirigida ao grande público utiliza discursos, argumentos, personagens e entoação particularmente infantis, muitas vezes próximos à debilidade mental, como se o espectador fosse uma pessoa menor de idade ou portador de distúrbios mentais. Quanto mais tentem enganar o espectador, mais tendem a adoptar um tom infantilizante. Por quê? "Aí alguém se dirige a uma pessoa como se ela tivesse 12 anos ou menos, em razão da sugestionabilidade, então, provavelmente, ela terá uma resposta ou ração também desprovida de um sentido crítico (ver "Armas silenciosas para guerras tranquilas")".

6. Utilizar o aspecto emocional mais do que a reflexão. Fazer uso do aspecto emocional é uma técnica clássica para causar um curto circuito na análise racional e, finalmente, ao sentido crítico dos indivíduos. Por outro lado, a utilização do registo emocional permite abrir a porta de acesso ao inconsciente para implantar ou enxertar ideias, desejos, medos e temores, compulsões ou induzir comportamentos...

7. Manter o público na ignorância e na mediocridade. Fazer com que o público seja incapaz de compreender as tecnologias e os métodos utilizados para seu controle e sua escravidão. "A qualidade da educação dada às classes sociais menos favorecidas deve ser a mais pobre e medíocre possível, de forma que a distância da ignorância que planeia entre as classes menos favorecidas e as classes mais favorecidas seja e permaneça impossível de alcançar (ver "Armas silenciosas para guerras tranquilas").

8. Estimular o público a ser complacente com a mediocridade. Levar o público a crer que é moda o fato de ser estúpido, vulgar e inculto.

9. Reforçar a autoculpabilidade. Fazer as pessoas acreditarem que são culpadas por sua própria desgraça, devido à pouca inteligência, por falta de capacidade ou de esforços. Assim, em vez de rebelar-se contra o sistema económico, o indivíduo se autodesvaloriza e se culpa, o que gera um estado depressivo, cujo um dos efeitos é a inibição de sua acção. E sem acção, não há revolução!

10. Conhecer os indivíduos melhor do que eles mesmos se conhecem. No transcurso dos últimos 50 anos, os avanços acelerados da ciência gerou uma brecha crescente entre os conhecimentos do público e os possuídos e utilizados pelas elites dominantes. Graças à biologia, à neuro-biologia e à psicologia aplicada, o "sistema" tem desfrutado de um conhecimento e avançado do ser humano, tanto no aspecto físico quanto no psicológico. O sistema conseguiu conhecer melhor o indivíduo comum do que ele a si mesmo. Isso significa que, na maioria dos casos, o sistema exerce um controle maior e um grande poder sobre os indivíduos, maior do que o dos indivíduos sobre si mesmos.

*Linguista, filósofo e activista político norte-americano. Professor de Linguística no Instituto de Tecnologia de Massachusett.
Fonte: Google.

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Lições Bíblicas do 4º trimestre de 2013.


CPAD divulga o tema das Lições Bíblicas do 4º trimestre de 2013. 

Em breve maiores informações.


terça-feira, 18 de junho de 2013

Fique por dentro! PEC 33 e 37.



Nos últimos dias, estamos sendo bombardeados por notícias sobre a PEC 37 e PEC 33, vemos manifestações e abaixo-assinados por todos os cantos. Mas poucas pessoas realmente sabem o porquê de tudo isso. O que é a PEC 37 e PEC 33? Por isso, a notícia de hoje é sobre este assunto, extremamente importante para o país.

A PEC 33 atinge o Supremo Tribunal Federal. Caso aprovada, ela modificará a relação entre os três poderes do país, ou seja, permitirá ao Congresso ter controle sobre ações do Supremo Tribunal Federal. Já a PEC 37 é uma proposta de Emenda à Constituição, conhecido como PEC da impunidade, pois pretende tirar o poder de investigação do Ministério Público. Caso seja aprovada, ela inviabilizará algumas investigações como: desvio de verbas, crime organizado, abusos cometidos por agentes dos Estados e violações de direitos humanos. E, para que você entenda um pouco mais sobre essas duas emendas, o Professor Che fez um vídeo onde explica tudo sobre as PEC’s:



Fonte:Nação Jurídica

sábado, 11 de maio de 2013

Parabéns a todas as Mães!


Dona Dalva (in memoriam).
Amiga.
Companheira.
Abnegada.
Hombridade.
Gratidão...
Saudades.
Sem palavras.
Só lágrimas!

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Lições Bíblicas 3º Trimestre 2013 - CPAD

 Filipenses.
Tema: A humildade de Cristo como exemplo para a Igreja.

Em breve mais informações!

sexta-feira, 3 de maio de 2013

54ª Escola Bíblica de Obreiros - 85 anos IEADALPE





54ª Escola Bíblica de Obreiros e 14ª AGO.
Tema: A Fidelidade do Obreiro. I Cor. 4.2
12 a 19 de Maio de 2013.
85 anos IEADALPE – Abreu e Lima – PE.

Cobertura Rede Novas de Paz de Comunicação.
Transmissão através:  http://www.comadalpe.org/rnp/

Ore, divulgue e participe!